Friday, May 31, 2013

Magic, witchcraft, sorcery ... We are all under a spell!

© Alvaro M. Rocha - All rights reserved

Magic is not illusionism

Although illusionism is often confused with magic, and the latter, (formerly related to great wizards and witches ) has fallen into ridiculousness, it does in fact  work, as it always has; it works relentlessly and well, to such an extent  that we are all bewitched.

With this introductory article I will attempt to explain the basis of Magic (aka Magick), of course still only skimming the surface, and from a certain distance.



Is not illusionism, as we have seen, although the illusionism is a form of enchantment.
It’s not weird rituals. It’s not magic words.
It has nothing to do with cards, planets, sounds, fluids, magnetic passes or invocations.

All of the above and the likes make up the typical tools of someone who starts in the art, but they are not magic.

Indirectly recalling one previous article of mine: they are ways to direct, with a lot of intensity, the  focused  will (described in sacred texts as a man, male, seed) to the place responsible for the acts described as Magic:  the unconscious mind (or as it is defined in many sacred texts: woman, female, uterus) to cause a certain effect (described in sacred texts as a child, son, offspring) which in turn triggers the whole process needed for it to be manifested (described in sacred texts such as pregnancy, pain, trouble).

What is Magic?

Magic is the normal process of manifestation in the reality, to a greater or lesser degree, following universal laws, which involves the unconscious mind.

Does it work?

Without a doubt, and at all times. We are always launching and receiving spells. And are also permanently bewitched.

Spells, charms, bindings, hocus-pocus and (not) simple nonsense...

It's amazing how this concept has been distorted when, in the end, it is just a process of inducing a state of mind in a person, using external methods. It is a way of trying to program a person to program himself.

By inducing thoughts in the unconscious, effects are created in reality, probably subtly at first but in time triggering a chain of events that tend to progressively enhance the respective thoughts.
Words (normal ones, like in this text) are an excellent example of a spell.
Encode a sound or a symbol with a certain meaning, acceptable or not by the receptor: If he believes the message then you can consider him enchanted, under the effects induced by the sender of the message.
One thing should be made clear now: the reader believes in characters and letters, which he certainly learned at an early age, and it is this belief, this code, which allows him to grasp the meaning, which in turn, may or may not make sense but, it has nonetheless entered his mind and caused effects. To a certain extent I am "proving" unconscious conditioning is instrumental in Magic. But this is prose for another chapter...

It is not the magic wand that works, rather the belief (of the witch) that it (the wand) focuses the will and expresses it.

The strength of a spell and how to escape it

Programming is only effective if it gets to the unconscious. And if it does, its strength is infinite.
There is a body mechanism that warns that the "code" is very close, ready to be compiled and installed in the subconscious, this mechanism is called emotion(s).

The higher the emotional content at the time of the thought, the more likely the whole context will be "installed" in the subconscious (unconscious mind) and begin its manifestation in reality.

This mechanism can be reversed, i.e., start by provoking an intense emotion and then implant thoughts in this state. This fools the mind and impresses (technically imprints, I know) the "meaning" on the unconscious, even though if they (the thoughts) may make little sense. There are, therefore, ways to go around and bypass the conscious mind (hypnosis, for example).

That's why some rituals make use of sacrifices. That's because they generate, in theory, tremendous emotions and virtually shut down the conscious mind. Those involved in an accident for the first time or something emotionally intense, certainly understand that time seems to slow down and the body enters a strange automatic mode full of adrenaline - care is needed at this point for everything may be being implanted in the unconscious mind.

For the same reason, the temples of worship are magnanimous, huge and full of symbols that provoke awe and invoke power, raising all sorts of emotions that disarms the listener and opens him to almost any kind of suggestion (ideias that get straight into the subconscious) and a desire for belonging and missionaism (this word probably does not exist).

Alas, emotions are already a kind of "rehearsal", they manifests in the physical body sensations of the new forecoming reality that the thoughts intend to express. If  feelings are bad, there is no doubt that this is what's being created, and this kind of feeling will,  sooner or later, manifest physically in metaphorical “bad” events. And it's amazing how many good  people, through ignorance, delight in bad thoughts that shortly after manifest around them,  causing sadness and inducing them again (with new bad thoughts) under intense emotion, creating a vicious cycle of suffering.

So why do some spells seem to fail?

Obviously there is a sine-qua-non condition for any spell to work, and understand that the word spell is used here  generously as it is sort of in the appropriate context of my article (it may also be called suggestion, influence, instruction, induction, belief, core value etc.); this condition is believing.

If for those involved in the process there is no belief (or meaning, or nothing implanted in the middle of an emotional cycle (drugs also result)), they will not buy the suggestion and therefore it will not be implanted in the subconscious (and unconscious mind) - and therefor there will not be any type of forcefuly created event through magic(k).

This loss of belief, faith, credibility, can occur at any time and will stop even the most powerful processes of manifestation, immediately breaking the programming code running in unconscious for it has stopped being "true".

Understand that the belief (implanted in the unconscious) of the "Wizard" (the entity casting the "spell") also conditions and manifests itself in reality but things become more complicated when there are more than a will involved: but these are scenes from  upcoming chapters, if I decide to go there . Let us then, in a simplistic way, see how to escape.

The Truth shall set you free

This wise expression is much more real than it may first seem.  Better to first define what is Truth.

Truth is simply what one believes, no more, no less. And truth be told, what one believes is always changing. Consequently, that that manifests around the mind, which is responsible for the manifestations, is also always changing.

However, not always does one know what one believes. There is another term that defines "what is certifiably the truth" (according to one's mind) and the term is "faith". The thing that also "saves".

What is the absolute truth? The totally truthful truth!

Ironically it is precisely that that creates immunity to any spell and is the source of all creation.
Here I am, now daring to offer humanity the answer to the question that so many philosophers have said is impossible to answer, Truth is: absolute Silence and Stillness, the Nothingness. 

This spares the reader the job of pursuing the extreme truth: all roads lead to this absolute inner peace from which absolutely everything you want to create comes from.

Evidence then 

(as all this sounds very much as new-age claptrap mumbo-jumbo)...

We begin with the most common spell in society: magical words written on paper that are so powerful that some people kill under these spells. These charms cause great happiness and great suffering and are used every day. They are at the moment of the greatest charms on Earth to the extent that they do not even need to exist physically to have an effect. Nothing more is more required  in Magic than imagination.

In most of the world, the actual magical words and symbols with the some of the greatest power are written on "papyrus" that are recurrently kept in pockets, and these are: 1, 2, 5, 10, 20, 50 and 100.

The words themselves, and symbols, as stated above, and as we have already seen, have effect because there is belief (that they have). If not understood, by neither the issuer nor the receptor, the meaning of this tremendous expression in ancient Aramaic with immense magical potential that has always resulted over the ages, would not work.

I also postulate that a lot of people believing (even if) only a "little" or badly, has much more power than just a very powerful Wizard doing so, because of the existing interaction – which I’m not yet  going to explain.

The best way is to do Magic is to “cast a spell” on a lot of people is little by little. 
So gentility that they do not realize that all it takes to get out of this state, is to stop believing. 

This is because what they believe seems simple, useful and harmless. A big example of such a method is the media, in itself a victim of his own "works" and "bindings" ("spells" and beliefs).

A powerful spell that seems to have no effect on dogs...

There are more ways to induce behavioral control (to induce emotions and consequently beliefs) over a large number of minds as of childhood (when there is less self-control and the conscious mind “buys everything” without discrimination going straight into the unconscious one). From the moment that the mind forms a commitment with a spell, it is stuck to it until the "belief" disappears, for until then, it is (the) Truth.

How many emotions do these lines and colors awaken immediately? (Even in females!)

A symbol has the tremendous power to invoke the "meaning" of what is believed; and even worse, it immediately arouses such a cocktail of emotions that shuts down the conscious, allowing all that is desired to be implanted. Letters and numbers are symbols, as are words and shapes, as long as somehow we believe the meaning they carry.

Brute force, another way of inducing belief

There are more ways ("spells") to make a "meaning"/idea  permeate the mind, such as seduction, violence, fascination, objects (luxury, rare, intimidating, etc.). All of which involve manipulation of the truth (of a belief), thereby disarming and influencing perception.

This intends to try and implement a new "belief" in order to manifest a reality that is beneficial to the issuer of the spell, even though the vast majority do this unconsciously. This is an explanation based on "magic", obviously one can draw parallels with equally plausible explanations based on psychology, social engineering, neuro-linguistic programming and the likes; we are talking about the same although using different metaphors.

Obviously a person can often (with the typical “distorted” way of thinking nowadays) cast spells on himself. Trivial things people nowadays commonly think about usually induce conflicting emotions and moods that encourage "negative" thinking and that manifest as oppressive and depressive conditions. Consequently, this enriches the great "wizards" who (even if unaware of it) are the doctors, drug companies , the entire healing industry and world (dis)governments.

What is the power of a 100 dollar bill?Or of a football club? A political party or a famous actor?

Repeating myself, by trying to ground the idea, power is belief, awakened by an icon, a symbol that diluted with emotions bypasses the rational (conscious mind). This combination of meaning with emotions imbeds and grants this “belief” all the power in the world to permeate the unconscious mind of the receptor and ergo, create a specific reality (which is something always created by the mind, based on it's belief) that can be manipulated by whoever casts the spells.

And so we have that the “fun” ends when folks stop "believing".

The great wizards of our time (some aspiring magicians with visibility, although at the bottom of the food chain, go of the name of marketers and opinion-makers) know perfectly well that without deploying beliefs on an industrial scale they will be unsuccessful. Thus because the larger the group of followers, the more exponential the control and apparent invulnerability (more minds at tune). Nothing is therefore, in their context, of more priority than to maintain a belief system free from any doubt and the best way to do this is to cast doubt on others (who believe other "Truths" about their beliefs).

Consequently, if there are no changes of the belief system, the manifestations of the effects actually remain the same. Changing the world is in fact nothing more than changing beliefs.

I have a Ferrari. You think I'm powerful!
Because if you do not believe this, I'm not ... And it was not worth having bewitched the seller with so much cash.

What is the best way to lose / change / be immune to beliefs?

As many are so deeply rooted, only developing an opposite habit may deter some.
The opposite habit is considered here to may have a bit of disobedience, non compliance, insubordination if the beliefs are wide spread through a group.

Notice that the unconscious mind has a lot of strength (infinite) and that this method generates resistance and contradictory results (in physical reality) that try to bring the mind back to the earlier belief while there's conflicting doubts. Whenever there are still emotions coming up then this is because there is still "meaning", there is still "code" which is believed trying to get in and likely to cause discomfort for being contradictory. Emotions are the barometer of the body to indicate that reality may be (from our point of view) negatively controlled by thoughts (or positively).

Then the best method would then be, without the option of believing in nothing, to believe in another truth, alternative and conscious that makes sense and does not awake anything but peace and, at first, tremendous relief (as the prison to a belief consumes a lot of energy). This is because "to deny" is not "not to believe", it is instead deciding not believe a something you believe. Confused? Also something for another article...

An excellent counter-spell, although in itself a self-spell on the caster ... arouses emotions and imbeds an idea ...

Only when there is serenity, peace, and absence of emotions is it the path of immunity being walked upon.


Note that I’ve approached the subject very superficially and much has not been said, including:
A true magician recognizes emotions and controls them. Ideally for their own benefit and that of humanity. 

Love (not an emotion) and fear (many negative emotions simultaneously) are large weapons in the arsenal of someone who knows what he is doing, and also for someone who does not. The former real, the later based on the belief of things such as what one thinks is the past, future, ownership and vulnerability.

The tools described earlier (rituals, potions, etc.) are designed to format belief / desire in such a focused way that the effects are tremendous and rapid. Focused use of this technology we are born with is often made, but this is not the technology in itself. Many do so (usage of magic) unintentionally and against (or for) themselves and others.

It is therefore important to understand the biological,  physical, mental and emotional (and spiritual) technology  that is behind it and get to know that that is the indomitable unconscious mind. This is not “knowing the Truth” but just instead begin by trying to imbed positive beliefs which are non-confrontational and immune to external influences, which would prevent much suffering. Probably yet something more for another article, if you pardon the frequent use of this expression ...

Hugs and Kisses,

© Alvaro M. Rocha - All rights reserved

Monday, May 27, 2013

Pai Nosso - O Original, um olhar mágico

© Alvaro M. Rocha - Todos os direitos reservados

Pai Nosso que estais no Céu...

À luz dos mais recentes artigos que venho esboçando, sob a premissa que tudo, ou quase, em textos sagrados se prende com um processo que envolve o acesso ao inconsciente (e consequente manipulação da realidade) aqui vai mais um...

... (O) que nos leva a uma oração que nos foi ensinada por Alguém muito especial.
Ao contrário do que se pensa, a versão mais velha quasi-aramaica do Pai Nosso de que há conhecimento é uma tradução da versão original Grega, que cito abaixo. Note-se que é muito semelhante às traduções bíblicas actuais.


que Santificado seja o Vosso Nome,
que Venha (a nós) o Vosso Reino,
que Seja feita a Vossa Vontade,

Dai-nos hoje o nosso pão habitual.
E perdoai-nos as nossas dívidas,
Como (nós) perdoamos aos nossos devedores.

E não nos guies para a tentação.
Assim verdadeiramente seja.

Um modelo literário místico?

Num artigo meu anterior sobre "estamos todos sob um encanto" explanei de forma introdutória um modelo de "impressão" no inconsciente de ideias que mais tarde se manifestam.

Não é clara ainda qual a cadência do texto original da oração que o Filho de Deus nos ensinou. 
No entanto, a cadência da Oração em si, tal como a conhecemos, parece encaixar num modelo,  num template típico de uma liturgia do primeiro século que, por si só, tem muito de "mágico" (indução no inconsciente). Ora vejamos:

1. Louvar / Elogiar / Reconhecer a magnificência

É necessário que esta parte crie uma resposta emocional. 
Terá portanto que ser algo impressionante ao ponto de tornal inquestionável a grandeza que rodeia a experiência e, consequentemente, vincar a nossa pequenez.

Em termos históricos, colocar uma figura "nos céus" com "toda a glória" tinha um impacto emocional muito maior que na sociedade de hoje em dia. É por isso natural que o processo de orar com tais eufemismos possa porventura surtir menos efeito. No entanto, observe-se também que "reino dos céus" é uma forma de referir a mente (e/ou uma referência astrológica embora no mesmo âmbito), e "glória" o poder criativo - algo não abordado neste artigo concreto.

2. Dar graças

O estado de gratidão inspira tranquilidade e ausência de dúvida acerca dos resultados futuros e do que é implantado na mente (quer consciente, quer inconsciente). Impede-se assim, agradecendo uma conclusão positiva futura no presente, que existam possíveis crenças conflituosas (dúvidas) ou "falta de fé".

3. Confessar

Admitir que pode existir algo na nossa conduta que não nos torne meritórios de resultados é uma forma de eliminar culpa, que mais não é uma crença conflituosa, algo no caminho de aceitar (e consequentemente acreditar em) bons resultados. 

Confessar coloca também, nas mãos da "entidade" a quem se ora, a premissa de perdão, o que contribui ainda mais para um estado sereno de espírito e total ausência de conflito de crenças. Tal consequentemente permite ao inconsciente ser "impresso" com uma ideia/crença não contraditória e bem resolvida, manifestando-a em conformidade.

4. Petição

Existe obviamente um pedido. Aquele que se pretende ver manifestado.
Este pedido é então efectuado após os estágios anteriores, conscientemente. Por esta altura tem-se acesso directo ao inconsciente, sem espaço para que se implantem ideias contraditórias ao pedido (como, por exemplo, não se achar meritório).

5. Celebrar

Esta doxologia é necessária para reforçar o estado de tranquilidade até o "inconsciente" estar novamente barrado pelo consciente. Isto é, um estado de celebração contida em jeito de agradecimento e louvor que conduz em tranquilidade a um estado de vigília normal, na direcção reversa do processo, sem emoções intempestivas nem espaço para que se gerem ideias contraditórias/dúvidas.

Idealmente este esforço seria mais eficiente num estado alterado de consciência. Tal requereria um modelo mais simples, mas o descrito acima não deixa de ser um modelo soberbo de oração pois contém princípios psicológicos verdadeiros e eficazes. 

Observação importante:

Não é difícil concluir que nos dias de hoje existem muitas cerimónias não religiosas que colocam a mente num estado receptivo e, por ignorância, implantam ideias ou crenças à margem da vontade do sujeito enquanto este não perceber o processo. Tais "cerimónias" incluem por exemplo concertos, galas, competições emotivas e afins.

Rezai assim (?) ao Pai

E eis-nos chegados ao busílis da questão do artigo e perdoem por favor o quanto divaguei para aqui chegar mas a contextualização era necessária. Tendo tido já estabelecido que as palavras da Oração encaixam num modelo litúrgico/"mágico" e que as palavras em si não terão em princípio sido adulteradas temos ainda que:

De que serve orar se o inconsciente não percepcionar o que se pede?
Que metáforas reserva então esta magnífica Oração?

A Oração, no contexto em que a explico, basicamente resume o processo de "Salvação" (a abordar noutro artigo) e de uma forma introdutória. 

Aqui fica uma interpretação mística grosseira, a saborear com o desconto que for conveniente a cada um pois é apenas uma interpretação meditativa do que um Adepto (alto mago) poderia estar verdadeiramente a ensinar:

Inconsciente (Universo, Mente, Eu verdadeiro),

Reconheço o teu (meu) poder,
Permite-me (aprender a) utilizá-lo (salvação),
Que se materialize o que imagino (crio).

(e para isso) 
Permite que exista (aprenda/crie) hoje (fisicamente, no tempo)
Liberta-me dos compromissos (crenças erradas/karma),
como liberto aqueles que comprometi (amados/perdão/correcção)

E guia-me para que não use tal poder de forma errónea

Assim seja

Ressalvo que é uma interpretação mística e não uma blasfémia gratuita pois é a minha (não tão modesta) opinião que é das orações mais poderosas deste Universo, se bem entendida.

Beijos e abraços,

© Alvaro M. Rocha - Todos os direitos reservados

Monday, May 13, 2013

Magia, feitiçaria, bruxaria... Estamos todos sob um encanto!

© Alvaro M. Rocha - Todos os direitos reservados

Magia não é ilusionismo

Embora se confunda ilusionismo com Magia, e esta última - antigamente conotada com grandes magos e feiticeiros - tenha caído no ridículo, facto é que, como sempre, funciona e funciona implacavelmente bem, de tal maneira, que todos estamos enfeitiçados.

Vou tentar neste artigo introdutório explicar a base da Magia, naturalmente ainda de uma forma muito a roçar a superfície, e de muito longe.


Não é ilusionismo, já vimos, embora o ilusionismo seja uma forma de encanto.
Não são rituais escaganifobéticos. Não são palavras mágicas.
Nada tem a ver com cartas, planetas, sons, fluídos, passes magnéticos ou invocações.

Tudo o acima descrito, e outros que tais, são ferramentas típicas de alguém que se inicie nas artes, mas não são Magia.

Relembrando indirectamente um artigo meu anterior: São formas de fazer chegar a vontade focada (descrita em textos sagrados como homem, masculino, semente) com muita intensidade ao sítio responsável pelos actos descritos como Mágicos, a mente inconsciente (ou como é definida em muitos textos sagrados, a mulher, feminino, útero) para provocar um determinado efeito (descrito em textos sagrados como criança, filho, descendência) que por sua vez desencadeará todo o processo necessário para que se manifeste (descrito em textos sagrados como gravidez, dor, tribulação).

O que a Magia é?

A Magia é o processo normal de manifestar na realidade, em maior ou menor grau, seguindo leis universais, o que existe na mente inconsciente.


Sem sombra de dúvida, a toda a hora. Estamos sempre a lançar e a receber feitiços. E permanentemente enfeitiçados.

Feitiços, encantos, amarrações e anúncios do Correio da Manhã

É impressionante como este conceito tem vindo a ser distorcido quando no fundo é apenas um processo de induzir um estado de espírito numa pessoa recorrendo a métodos externos. É uma forma de tentar programar uma pessoa a que se programe a ela própria.

Incutindo pensamentos no inconsciente, temos efeitos na realidade, eventualmente subtis numa fase inicial mas desencadeando no tempo uma cadeia de acontecimentos com tendência a potenciar progressivamente os ditos pensamentos.

As palavras (normalíssimas, como neste texto) são um excelente exemplo de um feitiço.
Codificamos num som ou num símbolo um determinado significado, que o interlocutar pode ou não aceitar. Se acreditar na mensagem então pode considerar-se enfeitiçado, sob efeitos induzidos pelo emissor da mensagem.

Mas uma coisa entenda-se já, o leitor acredita nos caracteres, nas letras, que decerto aprendeu em tenra idade, e é essa crença, esse código, que lhe permite apreender o significado que, por sua vez, pode ou não fazer sentido mas, até lá, entrou na sua mente e provocou efeitos. Até um certo ponto estou já a provar condicionamento inconsciente, fundamental na Magia. Mas são prosas para outros capítulos...

Não é a varinha de condão que resulta mas a crença (da feiticeira) que a mesma (varinha) concentra a vontade e manifesta-a

Força do feitiço e como escapar a um?

A programação só tem efeito se chegar ao inconsciente. A sua Força é infinita.
Existe um mecanismo do corpo que avisa que o "código" está muito perto de ser compilado e instalado no subconsciente. Esse mecanismo são as emoções.

Quanto maior o conteúdo emocional na altura de um pensamento, maior a probabilidade de todo o contexto ser "instalado" no subconsciente e iniciar-se a sua manifestação na realidade.

Este mecanismo pode ser invertido, ou seja, começar por provocar uma emoção intensa e depois implantar pensamentos nesse estado. Tal engana a mente e impressiona (tecnicamente é imprime, eu sei) esse "significado" no inconsciente, mesmo que (o pensamento) faça pouco sentido. Há, portanto, maneiras de dar a volta e passar ao lado do consciente (o hipnotismo, por exemplo).

É por isso que alguns rituais fazem uso de sacrifícios, porque geram, em teoria, uma emoção tremenda e praticamente desligam o consciente. Quem está envolvido pela primeira vez num acidente ou algo emocionalmente intenso, entende que o tempo abranda, e que o corpo entra num estranho modo automático cheio de adrenalina - neste ponto é preciso cuidado porque está tudo a ser implantado no inconsciente.

Pela mesma razão, os templos de adoração são magnânimes, enormes e plenos de símbolos que provocam espanto e invocam poder, despertando todo o tipo de emoções que desarmam e abrem o interlocutor a praticamente qualquer tipo de sugestão e a um desejo de pertença e missionismo (não sei se esta palavra existe).

Aliás, a emoção é já como que um "ensaio" que manifesta no corpo físico as sensações da nova realidade que os pensamentos se destinam a manifestar. Se as sensações são péssimas, não haja dúvida que é isso, esse tipo de sensações, que se vai manifestar fisicamente em metafóricos maus eventos à posteri. E é incrível como tanta e tão boa gente se deleita em maus pensamentos, por ignorância, que pouco tempo depois se manifestam à sua volta provocando tristeza e induzindo-os novamente (novos maus pensamentos) sob emoção intensa, criando um ciclo vicioso de sofrimento.

Então porque alguns feitiços parecem falhar? (para os leitores do Correio da Manhã)

Obviamente existe uma condição sine-qua-non para que qualquer feitiço funcione, e entenda-se que aqui se faz uso da palavra feitiço generosamente por ser um contexto apropriado (pode ser também chamado de sugestão, influência, instrução, indução, crença, valor, etc) essa condição é acreditar.

Se não houver, por parte dos intervenientes no processo, crença (ou no significado, ou implantada no meio de um circo emocional (drogas também resultam)), a vontade não compra a sugestão e, consequentemente, não a implanta no subconsciente - não haverá qualquer tipo de manifestação.

Esta perda de crença, fé, credibilidade, pode ocorrer em qualquer altura e interromper até o mais poderoso dos processos de manifestação, quebrando imediatamente no inconsciente o código que deixou de ser "verdade".

Entenda-se que a crença (implantada no inconsciente) do "feiticeiro" também condiciona e se manifesta na realidade mas a coisa complica-se quando há mais que uma vontade ao barulho e são cenas para próximos capítulos, se me decidir a ir por aí. Vejamos então, de uma forma simplista, como escapar.

A Verdade libertar-te-á

Muito mais real que o que parece, esta sábia expressão. Convém definir verdade.
Verdade é simplesmente aquilo em que se acredita, nem mais, nem menos. E verdade seja dita, aquilo em que se acredita está sempre a mudar. Consequentemente, está também sempre a mudar o que se manifesta à volta da mente responsável pelas manifestações.

No entanto nem sempre se sabe aquilo em que se acredita. Existe um outro termo que define "aquilo que é comprovadamente verdade" (entenda-se, na mente de cada um) e esse termo é "fé". Aquela coisa que também "salva".

Qual a Verdade absoluta? Mas a verdade absolutamente verdadinha!

Ironicamente é precisamente a que cria imunidade a qualquer tipo de feitiço e é o ponto de origem de toda a criação.

Eis-me agora a ousar presentear a humanidade com a resposta à pergunta que tantos filósofos dizem impossível de responder, e a Verdade é: O Silêncio e Quietude absolutos, o Nada. Poupando ao leitor o trabalho de perseguir a verdade extrema, todos os caminhos vão dar a esta paz absoluta interna e de lá vem tudo o que absolutamente desejar criar.

Provas, que isto tudo soa muito a paleio xunga new-age...

Comecemos pelo feitiço mais comum na sociedade: palavras mágicas escritas em papel que são de tal forma poderosas que algumas pessoas matam sob esses feitiços. Estes encantos causam grande felicidade e grande sofrimento e são normalmente usados todos os dias. São, de momento, dos maiores feitiços da Terra de tal forma que já nem precisam existir fisicamente para exercer efeito. Nada mais é necessário em Magia que a imaginação.

Na Europa, as palavras mágicas de maior poder actualmente, escritas em "papiros" que recorrentemente guardamos nos bolsos, são: 500, 200, 100, 50, 20, 10 e 5.

As palavras em si, e símbolos, como dito acima e como já vimos, têm efeito porque se acredita (que têm). Se não for entendido, nem pelo emissor nem pelo interlocutor, o significado de uma tremenda expressão em aramaico com potencial mágico imenso que sempre resultou ao longo das eras, não vai resultar.

Postulo também que muita a gente a acreditar (mesmo que) "pouco" ou mal, tem muito mais poder que apenas um Mago muito poderoso a fazê-lo, e existe interacção - aqui não a explico ainda.

A melhor maneira de fazer Magia é "enfeitiçar" muita gente aos poucos. Assim de mansinho não se apercebem de que tudo o que basta para saírem desse estado, é parar de acreditar. Isto porque aquilo em que acreditam parece simples, útil e inofensivo. Um grande exemplo de tal método é a comunicação social, ela própria vítima dos seus próprios "trabalhos" e "amarrações" (crenças).

Um feitiço poderoso que parece não ter qualquer efeito em cães...

Existem mais formas de induzir controle de comportamento (induzir emoções e consequentemente crenças) sobre um grande número de mentes, desde a infância (quando há menor auto-controle consciente e o inconsciente papa tudo sem discriminar). A partir do momento que a mente assume um compromisso com um feitiço, fica presa a ele. Isto até que a "crença" desapareça porque, até lá, É a Verdade.

Quantas emoções estes traços e cores despertam de imediato? (até nas fêmeas!)

Um símbolo tem o poder tremendo de invocar o "significado" em que se acredita, e pior ainda, de imediatamente despertar o tal cocktail de emoções que desliga o consciente e de implantar tudo o que der jeito.

Força bruta, outro modo de induzir crença

Há mais maneiras ("feitiços") de fazer um "significado" permear a mente, tais como a sedução, a violência, o fascínio, objectos (luxo, raros, intimidatórios, etc.) sendo que todas envolvem uma manipulação da verdade (de uma crença) e desarme, influenciando a percepção.

Tal destina-se a tentar implantar uma nova "crença", de forma a manifestar uma realidade que convenha ao emissor do feitiço (mesmo que a grande maioria o faça inconscientemente, fica aqui uma explicação à luz do contexto "mágico", é óbvio que se podem traçar paralelismos com explicações igualmente plausíveis por parte da psicologia, engenharia social, programação neuro-linguística e outros que tais - estamos a falar do mesmo utilizando metáforas diferentes).

Obviamente muitas das vezes a própria pessoa pode (com o pensamento "avariado" típico de hoje em dia) lançar feitiços sobre si própria. Coisas que habitualmente induzem emoções conflituosas e estados de espírito que incentivam pensamentos "negativos" que manifestam à volta condições opressivas e depressivas. Consequentemente enriquecem os grandes "feiticeiros" que são os médicos, as companhias farmacêuticas e toda a indústria curandeira e (des)governos.

Qual o poder de uma nota de 500 euros? 
Ou de um clube de futebol? De um partido político ou um actor famoso?

Repetindo-me mas enraizando a ideia, o poder é a crença, despertada por um ícone, um símbolo, que  a dilui com emoções passando ao lado do racional. Essa combinação de significado com emoções implantam e concedem à crença todo o poder do mundo de permear a mente do interlocutor e criar uma realidade (sempre criada pela mente com a respectiva crença) que pode ser manipulada por quem lança os feitiços.

Permitindo-me ser simplório na linguagem, acaba o regabofe quando a malta parar de "acreditar".

Os grandes feiticeiros da nossa época (alguns dos aspirantes a magos com mais visibilidade mas ainda bem no fundo da cadeia alimentar dão pelo nome de marketeers e opionion-makers) sabem perfeitamente que sem implantar crenças a uma escala industrial estão tramados pois quanto maior forem os seguidores, mais exponencial é o seu controlo e aparente invulnerabilidade. Nada é, portanto, mais prioritário que manter um sistema de crenças livre de qualquer dúvida, lançando-se para isso dúvidas sobre outros.

Consequentemente, não havendo alteração de sistema de crenças, as manifestações dos efeitos na realidade continuarão a ser os mesmos.

Mudar o mundo é, de facto, nada mais que mudar as crenças.

Tenho um Ferrari. Acredita que sou poderoso!
Porque se não acreditares, não sou... E de nada vale ter enfeitiçado o vendedor com tanta massa.

Qual a melhor maneira de perder/alterar/ser imune a crenças?

Sendo que muitas estão enraizadas de tal forma apenas o hábito contrário pode demover algumas.

Entenda-se por hábito contrário a desobediência, o não cumprimento.
Aviso que o inconsciente tem muita força a recorrer e que tal método gera resistência e resultados contraditórios (na realidade física) que tentam trazer a mente de volta à crença. Sempre que houver emoções à mistura então é porque ainda há "significado", ainda há "código" a tentar entrar passível de causar incómodo. As emoções são o barómetro do corpo a indicar que a realidade pode ser (do nosso ponto de vista) negativamente controlada pelos pensamentos.

Temos então que o melhor método seria, não havendo a opção de em nada acreditar, acreditar noutra verdade, alternativa e que faça sentido consciente e que não desperte mais nada que não muita paz e, de início, alívio tremendo (a prisão de uma crença consome muita energia). Isto porque "negar" não é "não acreditar", é decidir não acreditar numa coisa que se acredita. Confuso? Coisa também para outro artigo...

Um excelente contra-feitiço embora seja em si outro feitiço... desperta emoções e implanta uma ideia...
Só quando existir serenidade, paz, ausência de emoções, se está no caminho da imunidade.


Note-se que abordei ainda o assunto muito superficialmente e muito não disse, incluindo:
Um verdadeiro mago reconhece emoções e controla-as em seu benefício e do da humanidade. Amor (não é uma emoção) e Medo (muitas ao mesmo tempo) são grandes armas do arsenal de quem sabe o que faz, e de quem não sabe. Uma real, outra com base em crença de coisas como passado, futuro, posse e vulnerabilidade.

As ferramentas enumeradas no início (rituais, mezinhas, etc.) destinam-se a formatar as crenças/vontade de tal maneira focada de forma a que os efeitos sejam rápidos e tremendos. Fazem uso focado da tecnologia com que nascemos mas não são a tecnologia em si. Muitos fazem isso sem querer e contra si próprios e os outros.

É, por isso, importante entender a tecnologia biológica, física, mental e emocional (e espiritual) por trás da coisa e conhecer esse indomável que é o inconsciente. Tal não é conhecer a Verdade mas apenas tentar implantar uma crença não conflituosa e imune a influências externas que impeça tanto sofrimento. Coisa para outros artigos, perdoem utilizar tanto esta expressão...

Beijos e Abraços,

© Alvaro M. Rocha - Todos os direitos reservados

Saturday, May 11, 2013

Eye of Horus

© Alvaro M. Rocha - All rights reserved

The whole seeing I

[ pun intented :-) ]
At this point, I'm going to bold and underline words that are pertinent and that I might address in future articles. Careful meditation on them may reveal many inner (and outter) "truths" to you.
The eye of the goddess Wadjet
Commonly known as the "Eye of Horus" (and of Ra), and reaching our days as "the all seeing eye". It's actually the eye of Wadjet, the goddess depicted in the helmet/crown of some pharaohs, in the form of a upright risen snake (it has a more profound meaning which I won't mention yet for the sake of convenience).
Greeks and Romans knew this name Wadget by "uraeus" - which is "snake rising up in protection" - which is derived from the Egyptian word "iaret" which in turn means "risen one" (mind the bolds!).

The Eye of Horus?
I'll now let you draw parallels.
Above you have - slightly enhanced - the brain's pineal gland and it's surroundings .
It's yet unclear what is the full purpose of this gland. It seems to go somewhat "quiet" at adult age.
However, it's very clear in an esoteric context that this is an important gland which may be involved in what we would now view as paranormal abilities. There's a whole method of "awakening" senses this gland (and some other bits in your body) is suposed to handle. That is described in many alegories metaphoricaly as "Salvation".
The whole point of this article is focus on "snake", "risen" and "seeing".
Oh, and of course, "I".
Hugs and Kisses,
© Alvaro M. Rocha - All rights reserved

Thursday, May 9, 2013

A woman should learn in quietness and full submission.

© Alvaro M . Rocha - All rights reserved

 “A woman should learn in quietness and full submission.  I do not permit a woman to teach or to assume authority over a man; she must be quiet.”
 I Timothy 2:11-12

It is with a deep sadness that nowadays and increasingly so, I still see men and some scholars as well as the so called Initiates literally interpreting the sacred texts.

Here I focus on some texts that for centuries have served as an argument to degrade the human female. For the sake of the comfort of summarization, I will not dwell too much, but will give only a few examples and decoding as quickly as possible.
With the hope of awakening some, and with enormous respect and admiration for women:

To the woman he said, "I will greatly increase your pains in childbearing; with pain you will give birth to children. Your desire will be for your husband, and he will rule over you."
I Genesis 3:16

"Woman" here is the unconscious, the world of thought, the abstract world of ideas. The world that is indestructible, abundant and invulnerable. Source of all things we consider real.

And, ironically, it is actually the exact opposite, as that what we call "reality" is in fact a product of mind and illusory. But that's material for another article. Similarly, "man" is the will, and in a broader sense, choice, conscious choice and "Children" symbolize the results, realizations, "creation".

Let us consider, for reasons not explained here, the basic principle that everything in reality stems from this world of the mind. This mental world is accessed by means of brainwork, the brain being the organ that "affects” the mind. And assume this metaphorically.

So then we have:
"Woman" (the unconscious) will see their sufferings multiplied because all that is "manifested" in what we call reality are the effects of causes that were put in mind , which is a “painful” process .

In this physical universe, there is a limit expressed by the principle of conservation of energy (one of the laws of thermodynamics) which implies that, in our actual physical reality, there is nowadays, as far as one knows, no pure "creating” in itself but only “transformation" at the expense of existing resources and therefore finite physical reality dictates this. This price is metaphorically described as "pain" as the process of "nothing is created, nothing is lost, everything is transformed", depending on the context, it is indeed "painful" in the sense of not being intrinsically free (it requires interaction, energy, space, time and relative conditions (pints of view), etc.).

If for example the unconscious (woman) is implanted by the will (man) with the idea of ​​"success" (son), a whole world of conditions have to point in the same direction, the process requires linearity and rules (pain). Needless to say, also metaphorically, that nothing neither falls from the sky nor materializes out of nowhere, nothing involving the three mentioned metaphors (man / desire; woman / unconscious; children / results). There is a concept that allows the conclusion for it to be possible to break the rules of reality, if only for the mental exercise of the design, which is naturally that of God, the All.  All, which by analogy, is that that becomes what is transformed, the essence, the only Truth.

“neither was man created for woman, but woman for man.”
I Corinthians 11:9 

It is now easier to understand the above metaphor.
The will / thought (man) was not created for the unconscious (woman) because the unconscious is the instrument of the will, the mechanism used to manifest in reality (the children) that what was imposed on the mind (women) by the will (man), using available resources ("painfully" ).


“A woman should learn in quietness and full submission.  I do not permit a woman to teach or to assume authority over a man; she must be quiet.”
 I Timothy 2:11-12

 The unconscious (woman) does not make any kind of judgment in relation to the will / thoughts (man). The unconscious does not act actively in any way in regards to the will. Not conditionally. The unconscious captures absolutely everything that is imposed by the will and manifests it (in reality/ the children) without any kind of judgment or contradiction, as much as it may "hurt".


Now I want you to realize that the head of every man is Christ, and the head of the woman is man, and the head of Christ is God.”
I Corinthians 11:3 
Finally we have the will (man) that  is headed by Christ (in a state of ideal consciousness the "Christ" consciousness is a state of oneness with all things, divine, the real "I";  in the  day to day it is however confused with the ego, what we think / believe  and not what we really are).

 The unconscious (woman) is headed by the will / thoughts (man).
The real self (not ego) is headed by the All, which is the only thing that exists, in other words, what many describe as "God."

Hugs and Kisses,
© Alvaro M . Rocha - All rights reserved

Tuesday, May 7, 2013

"Que a mulher aprenda em silêncio, com total submissão. A mulher não poderá ensinar nem dominar o homem". - I Timóteo 2:11-12

© Álvaro M. Rocha - Todos os direitos reservados

É com profunda tristeza que vejo ainda nos dias de hoje e cada vez mais, homens ditos eruditos e alguns Iniciados interpretarem literalmente textos sagrados.

Centro-me aqui nos textos que ao longo de séculos têm servido como argumento para inferiorizar humanos do sexo feminino. Em prol do conforto da sumarização não me vou alongar muito, citando apenas alguns exemplos e descodificando com a rapidez possível.

Com votos de que despertem e com todo o enormíssimo respeito e admiração pelas mulheres:

"Deus disse à mulher: Multiplicarei grandemente os teus sofrimentos e a tua gravidez; darás à luz teus filhos entre dores; contudo, sentir-te-ás atraída para o teu marido, e ele te dominará"
Genesis 3:16

"Mulher" representa o inconsciente, o mundo do pensamento, o mundo abstracto das ideias. Mundo esse indestrutível, abundante e invulnerável. Fonte de todas as coisas que consideramos reais.

Sendo que, ironicamente, na verdade é precisamente o inverso, e que o que chamamos de "realidade" é na realidade produto da mente e ilusório. Mas isso é material para outro artigo.

Analogamente, "Homem" representa vontade, e num sentido mais lato, arbítrio, escolha consciente e "Filhos" simbolizam resultados, manifestações, "criação".

Partamos, por razões não explicadas aqui, do princípio que tudo na realidade tem origem neste mundo da mente. Este mundo mental é acedido por trabalho cerebral, sendo (parte d)o cérebro um órgão para "mexer" (n)a mente. E assumamos isto metaforicamente.

Então temos que:
A "mulher" (inconsciente) vai ver multiplicados os seus sofrimentos porque para que se "manifestem" no que chamamos realidade os efeitos das causas que colocamos na mente, existe um processo "doloroso".

Neste universo físico, existe um limite expresso pelo princípio de conservação de energia (uma das leis da termodinâmica) que implica que, na nossa dita realidade física, não exista que se saiba, hoje em dia, "criação" pura por si mas sim apenas e só "transformação" à custa dos recursos existentes e finitos desta dita realidade física. Este preço é metaforicamente descrito como "dor", pois o processo do "nada se cria, nada se perde, tudo se transforma", dependendo do contexto, é de facto "doloroso" no sentido de não ser intrinsecamente gratuito (exige interacção, energia, espaço, tempo e condições de relatividade (pontos de vista), etc).

Se por exemplo implantarmos no inconsciente (mulher) pela vontade (homem) a ideia de "sucesso" (filho), todo um mundo de condições terá que apontar nesse sentido e o processo exige linearidade e regras (dor). Escusado será dizer, também metaforicamente, que nada cai do céu nem se materializa sem mais nem menos, nada que envolva os três mencionados metaforicamente (homem/vontade, mulher/inconsciente, filhos/resultados). Existe um conceito que permite concluir ser possível quebrar regras da realidade, mesmo que apenas pelo exercício mental de o conceber, e é naturalmente o de Deus, que representa o Todo, Tudo, e por analogia, aQuilo que se transforma, a essência, a única Verdade.

"O homem não foi criado para a mulher, mas a mulher para o homem."
I Coríntios 11:9

É agora mais fácil entender a metáfora acima.
A vontade/pensamento (homem) não foi criado para o inconsciente (mulher), o inconsciente é o instrumento da vontade, o mecanismo utilizado para manifestar na realidade (os filhos) o imposto na mente pela vontade usando os recursos disponíveis ("dolorosamente").

"Que a mulher aprenda em silêncio, com total submissão. A mulher não poderá ensinar nem dominar o homem."
I Timóteo 2:11-12

O inconsciente (mulher) não faz qualquer tipo de juízo à vontade/pensamento (homem).
O inconsciente não age activamente de forma alguma sobre a vontade. Não a condiciona.
O insconciente apreende absolutamente tudo o que lhe é imposto pela vontade e manifesta-o (na realidade/filhos), sem qualquer tipo de juízo ou contradição, "doa" o que "doer".

"A cabeça do homem é Cristo, a cabeça da mulher é o homem e a cabeça de Cristo é Deus."
I Coríntios 11:3

Finalmente temos que a vontade (homem) é encabeçada por Cristo (num estado de consciência ideal têm que a consciência "Cristo" é um estado de unidade com todas as coisas, divino, o "eu" real; no dia a dia é no entanto confundido com o Ego, aquilo que pensamos/acreditamos ser e não aquilo que realmente somos).

O inconsciente (mulher) é encabeçado pela vontade/pensamento (homem).
O Eu real (não o Ego) é encabeçado pelo Tudo, que é a única coisa que existe, vulgo, "Deus".

Abraços e beijos,

Alvaro M. Rocha